Aprendizes do Pará levam o cooperativismo para escolas públicas

Notícias

Convivência social, aceitação pessoal e inserção no mercado de trabalho são alguns dos desafios que o jovem precisa enfrentar na vida. Em todos estes, o cooperativismo é uma ferramenta que pode contribuir bastante e a sua difusão para a juventude paraense é um dos objetivos do Sistema OCB/PA. Através de dinâmicas, palestras e rodas de conversa, os alunos do Programa Aprendiz Cooperativo levaram os princípios cooperativistas para jovens da rede pública de ensino na última terça (12). A turma da manhã visitou comunidade no Distrito Industrial e a turma da tarde esteve na Escola Técnica Magalhães Barata, no Telégrafo.

A Programação foi um desdobramento na finalização do Módulo Cidadania e Trabalho. Os instrutores escolheram a atividade para que os jovens pudessem colocar em prática o conteúdo aprendido em sala de aula. A turma da manhã beneficiou a comunidade da Portelinha e moradores da periferia no conjunto Geraldo Palmeira, do Distrito Industrial em Ananindeua/PA. Participaram 87 pessoas além de crianças, que ficaram em um local a parte, participando de algumas dinâmicas de grupos. Foi feita a apresentação do Sistema OCB/PA e o papel do Aprendiz. Foram trabalhados os temas: Educação e Cidadania, Estatuto da Criança e do Adolescente e Educação sexual.

Já a turma da tarde beneficiou três turmas da Escola Técnica Estadual Magalhães Barata com jovens de idade entre 15 a 24 anos. Eles fazem parte dos cursos técnicos de Mecânica, Eletrotécnica e Edificações. No total, participaram 75 jovens. O tema trabalhado foi convivência social, com os assuntos: bullying, cooperativismo e instrumentos 5s aplicados à escola. O 5s é uma ferramenta que auxilia na criação da cultura da disciplina, identifica problemas e gera oportunidades para melhorias, reduzindo o desperdício de recursos e espaço de forma a aumentar a eficiência operacional.

“Os aprendizes já aplicam o programa no SESCOOP/PA com as atividades de organização da sala, higienização e limpeza divididos em subgrupos. Levamos essa experiência deles para a escola. Foi muito positivo e os próprios alunos da Escola deram o depoimento de estarem interessados em aplicar essa metodologia”, explicou a instrutora do Programa, Alessandra Souza.

Toda a programação foi organizada e executada pelos jovens, com acompanhamento das instrutoras. Eles se dividiram em três grupos com tarefas específicas as quais contemplavam as dinâmicas, interação, (recepção e interação) e desenvolvimento do tema. Sobre o assunto “bullying”, os aprendizes demonstraram a dinâmica das maçãs, utilizando um fruto normal e outro que estava com aspecto bom por fora, mas podre internamente. Os alunos começaram a xingar a maçã podre e elogiar a maçã boa, abrindo-se ambas posteriormente. O objetivo foi mostrar as consequências internas que o tratamento hostil pode provocar nas pessoas.

Na dinâmica sobre o cooperativismo, os alunos precisavam encher balões e tratá-los como se fossem os próprios sonhos, sem deixar cair. Algumas pessoas eram retiradas da roda e o restante precisava cuidar dos sues balões e dos balões dos outros, demonstrando a necessidade do pensar em grupo, coletivo e solidário.

“O desempenho de todos os alunos foi muito bom. Colocaram em prática o que aprenderam e desenvolveram competências que não acreditavam possuir, levando conhecimento na frente de um público grande. Isso demonstra a forma positiva que o SESCOOP/PA vem atuando com os aprendizes, estimulando competências e habilidades. Foi muito positivo. Eles até já querem realizar o projeto de novo”, enfatizou a instrutora Angélica Melo.

Apesar das turmas terem iniciado apenas há um mês, a iniciativa teve tanto sucesso que já surgiram convites para mais duas escolas. Os professores presentes avaliaram de modo muito animador e desejam replicar em outras unidades, assim como a própria diretora da Escola Magalhães Barata solicitou o retorno dos aprendizes quando houvessem outros conteúdos.

Para a aprendiz Eduarda Assunção, de 18 anos, a experiência foi surpreendente. “Participei do grupo de trabalho responsável por ministrar palestra e tive envolvimento com os demais grupos para estarmos todos alinhados. Falei sobre o bullying principalmente sobre soluções com a ajuda profissional da psicologia e com o envolvimento da família, assim como a cooperação dentro do ambiente escolar. Foi algo novo e muito importante. Vivemos em uma sociedade tão voltada para si que muitas vezes não nos preocupamos com outros. Foi muito satisfatório. Aprendi bastante e os demais grupos também”.

 

Fonte – OCB/PA

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta