Fórum paraense de mudanças climáticas debate redução de emissão de carbono

Notícias

A Secretaria de Estado do Pará de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) promove nesta terça-feira
(24) a VII Reunião Ordinária do Fórum Paraense de Mudanças Climáticas (FPMC), que entre outros pontos vai debater os marcos legais, nacionais e internacionais, para Redução das Emissões por Desmatamento ou Degradação Florestal (Redd+). A programação inicia às 10h, no Centro Integrado de Monitoramento Ambiental do Pará (Cimam).

Organizado com o apoio do Programa Municípios Verdes e do Instituto do Homem e Meio Ambiente da
Amazônia (Imazon), o encontro também vai discutir a atuação do Pará na apresentação de experiências
sub-nacionais, com o repasse de informações e assuntos referentes ao FPMC, presidido pela Semas. O
objetivo é despertar o interesse de instituições paraenses para e envolvê-las nas questões relacionadas
à Redd+, que tem sido insistentemente debatida nos fóruns de Secretários de Meio Ambiente da Amazônia Legal e na Força Tarefa de Governadores para o Clima e Floresta, além de eventos internacionais, como o recente encontro realizado na Indonésia com a participação de representantes do Pará.

Neste último, o secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Luiz Fernandes, reafirmou o
compromisso do Pará, assumido com a Declaração de Rio Branco, em 2014, de reduzir o desmatamento em 80% até 2020, condicionado a apoio financeiro internacional baseado no seu desempenho.

Os membros do Fórum Paraense de Mudanças Climáticas, que inclui órgãos do governo estadual,
organizações não governamentais, universidades, setor privado e movimentos sociais, colocarão em pauta a atuação do Pará no âmbito das mudanças climáticas, incluindo a criação de um programa que integre a gestão das águas da Bacia Amazônica e os mecanismos e estratégias de uma Política Regional de Redd+, que estimule produtores rurais e comunidades tradicionais, entre outros, a reduzirem emissões dos gases de efeito estufa, e também incentive práticas de baixo carbono para uso da terra.

 

Fonte – Governo do Pará

Deixe uma resposta