Governo do Acre e FAEAC reúnem pecuaristas para tratar do Plano de Erradicação da Febre Aftosa

Notícias

Para esclarecer os pecuaristas que atuam no Acre acerca do novo Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), o governo do Estado, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (Faeac) trouxeram ao Estado, Décio Coutinho, consultor em Defesa Agropecuária da Confederação da Agricultura, Pecuária do Brasil (CNA).

A categoria esteve reunida na tarde sexta-feira, 20, no auditório da Faeac. O encontro ocorre dias antes da realização da reunião que será realizada em Porto Velho (RO) de segunda-feira, 23 a quarta-feira, 25.

“Esse plano divide o país em cinco blocos que têm datas e atribuições diferentes para chegar à condição do Brasil livre de febre aftosa sem vacinação. O bloco um é formado pelos Estados do Acre e Rondônia. Essa é uma reunião de nivelamento entre os técnicos do serviço oficial do Acre, produtores e Federação da Agricultura para que se chegue a uma posição na participação desse calendário que está proposto pelo Ministério da Agricultura”, detalhou Décio Coutinho.

O consultor da CNA complementou explicando que nesse processo, toda a cadeia da pecuária tem tarefas a cumprir: o produtor, a indústria, os serviços de defesa, a Assembleia Legislativa, as secretarias de Estado.

“Ou seja, precisa ser uma decisão de todos do Estado, até porque no momento que ele alcançar essa condição, todos vão se beneficiar. Então, é importante que seja uma decisão madura. A Federação e o Governo tiveram essa lucidez e eu me sinto honrado de estar aqui dividindo com eles essa discussão”, declarou Coutinho.

Ronaldo Queiroz, diretor-presidente do Idaf, reforça que a proposta é mesmo reduzir as dúvidas de quem atua na agroindústria pecuária. “O governo do Estado e a Federação se uniram para trazer ao Acre um consultor e especialista nesse assunto que é o Décio Coutinho. Ele veio para esclarecer nossos pecuaristas. O governador Tião Viana fez questão que atuássemos em conjunto com a Faeac nessa atividade que visa beneficiar não só quem produz, mas a população como um todo”, frisou o presidente do Idaf.

O presidente da Faec, Assuero Veronez, informa que atualmente o Acre tem cerca de três milhões de bovinos. Por isso, os produtores têm dúvidas acerca da retirada da vacinação depois que o Estado conquistou o selo de zona livre de febre aftosa.

“Essa é uma discussão complexa que envolve aspectos técnicos e políticos. O pecuarista quer a garantia de que seu rebanho estará protegido. Ainda que a vacinação gere custos, traz segurança quanto ao baixo risco de contaminação do rebanho. Por isso, é importante que eles compreendam a razão de erradicar a imunização. O Ministério da Agricultura fez uma análise completa para dar início a esse processo no Acre e tem conhecimento profundo para propor isso com segurança. É um desafio”, afirmou Veronez.
O pecuarista Luiz Augusto do Valle, o Gui, pontuou que é um passo ousado. “É de uma responsabilidade muito grande e precisamos ter órgãos estruturados para lidar com isso”, comentou.

Décio Coutinho destacou que há muitos ganhos com a condição de área livre sem vacinação. Entre eles, a diminuição de custo operacional para o produtor; melhor condição sanitária; melhor reconhecimento no mercado interno e externo. “E isso não inclui só a carne. Inclui também animais vivos, sêmen, embriões, o produto da pecuária como um todo e junto, há o produto da agroindústria pecuária. O desafio é de todos, mas os louros e benefícios também serão de todos”, concluiu o consultor.

 

Fonte – Governo do Acre

Deixe uma resposta