Instituições de microcrédito elogiam mudanças na legislação, mas apontam problemas da nova lei

Notícias

Instituições de microcrédito elogiam mudanças na legislação, mas apontam problemas da nova lei
As melhorias trazidas pela nova lei do microcrédito (13.636/18) e os entraves que persistem foram discutidos na Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara nesta quinta-feira (24) entre representantes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Banco Central, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, além da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

Também compareceram ao debate representantes do maior banco de microcrédito do Brasil, o Banco do Nordeste, e de organizações sociais sem fins lucrativos, as Oscips, que, pela nova lei, passaram a conceder microcrédito.

O microcrédito no Brasil foi usado no ano passado por 2,2 milhões de microempresários. Ao todo, mais de R$ 8,6 bilhões foram emprestados. A lei aprovada neste ano atualizou o programa de microcrédito criado em 2005 (Lei 11.110/05).

A nova lei do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado aumentou o acesso a microempresários com renda bruta anual de até 200 mil reais. Antes, o limite era de 120 mil reais. O texto também amplia as fontes de financiamento de microcrédito. Além dos recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) e da parcela dos recursos de depósitos à vista destinados a microcrédito, agora há receitas do orçamento geral da União e partes dos fundos constitucionais das regiões. Outra mudança foi ampliar as formas de atendimento. Não é mais necessário o contato presencial: a tecnologia pode ser usada e a concessão de empréstimos pode ser dada pelas fintechs, empresas tecnológicas que oferecem serviços financeiros.

Segundo o coordenador de planejamento do Itaú, Carlos Cartaxo, os bancos comerciais têm centenas de agentes de crédito, que trabalham como vendedores desse tipo de serviço, e que são responsáveis por 70% do custo do microcrédito. Ou seja, o microcrédito poderia ser mais barato ao empreendedor se o acesso à tecnologia fosse pleno. Apesar de considerar a lei um avanço no setor, o diretor financeiro Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), Fábio Márcio, critica o fato de a lei limitar a necessidade de visita do agente de microcrédito ao primeiro contato com o cliente.

“O agente de crédito tem um custo maior mesmo para fazer essas visitas. Eu acho que a tecnologia pode vir para apoiá-lo e, aumentando a produtividade, a gente pode ir diminuindo um pouco esse custo, né, mas a retirada da visita é um ponto negativo nessa lei.”

É nessa direção que vai o superintendente de microfinanças do Banco do Nordeste, Alex Araújo, que afirma que a lei possibilitou maior alcance do microcrédito com a diminuição dos custos e que a tecnologia é um aliado ao trabalho dos agentes.

“Hoje nós temos um projeto de equipar os agentes de crédito com todo o ferramental tecnológico, cada agente tem um tablet que contém toda a agenda de visitas dele, o perfil dos clientes e o habilita a fazer a captura das operações. Isso dá um ganho de produtividade que permite que a gente expanda o programa mantendo o custo relativamente baixo. Acho que a tecnologia tem um papel fundamental ao possibilitar esse aumento de produtividade, mantendo a qualidade e a gestão do programa.”

De cada R$ 3 concedidos no microcrédito, R$ 2 saem do Banco do Nordeste, o maior financiador ao microempresário e que tem 3,2 mil agentes de crédito. O coordenador do Grupo de Trabalho da Febraban, Marcos Antônio Ventura de Oliveira, que trabalha há 11 anos no setor, defende que 20% da captação de recursos de microcrédito sejam 100% digitais. Ele defende que o uso das tecnologias para facilitar o acesso ao empreendedor aumenta a eficiência.

“Essa população, embora seja de baixa renda, é extremamente exigente. Então, se o crédito demora muito a ser liberado, esse cliente tem dificuldade, porque muitas vezes precisa se deslocar até uma feira pra fazer uma compra, e a feira tem o dia certo e ele precisa do crédito com uma certa velocidade.”

Relator do texto que deu origem à nova lei, o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) afirmou que a tecnologia é um caminho sem volta.

“A tecnologia vem aí pra diminuir distâncias. O que a gente precisa é ampliar o número de pessoas que são de instituições financeiras, correspondentes bancários, Oscips, que possam ajudar os bancos a irem às comunidades, nas áreas populares. Tem que ganhar na escala. O número é pequeno. Se você ganha pouco, mas muita gente participando, o resultado é bem melhor.”

O deputado Otávio Leite afirmou que deverá haver outras audiências públicas para discutir o tema.

Fonte – Agência Câmara

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta