Responsável por 23,5% do PIB, agropecuária puxa geração de empregos formais

Notícias

Responsável por segurar o Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB) ano passado e por contribuir com ao menos 23,5% de toda produção nacional, o setor de agropecuária puxou a geração de empregos formais no mês de maio deste ano. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostrou que dos mais de 33,6 mil novos postos de trabalho, a área foi responsável por 29,3 mil.

Depois aparecem os setores de serviços e construção civil, com 18,6 mil e 3,1 mil, respectivamente. A diferença entre contratações e demissões foi a menor registrada no ano. Em abril, o saldo de criação de postos de trabalho ficou em 115,9 mil. Em março, a diferença entre admissões e recisões foi de 56,1 mil. Em fevereiro, o total de novas vagas registradas foi de 61,2 e em janeiro, 77,8 mil.

O destaque do setor agropecuário foi o plantio de café, que abriu 25.411 mil vagas em maio. Em seguida aparecem o cultivo de laranja, com mais 6.038 postos; criação de bovinos, com mais 1.589 postos; e produção florestal-florestas plantadas, com mais +877 postos.

No recorte geográfico, Minas Gerais teve o maior saldo de geração de empregos em maio, com mais de 19,8 mil. Os próximos colocados do ranking foram: São Paulo, com 9,2 mil; Bahia, com 5,9 mil; Espírito Santo, com 5 mil; e o Maranhão, com 2 mil. Entre os estados que se destacaram pelos saldos negativos estão Rio Grande do Sul, com -10,7 mil; Santa Catarina, com -4,5 mil; Rio de Janeiro, com -3,14 mil; Amazonas, com -1,2 mil; e Paraíba, com -703.

Segundo o Caged, o salário médio de admissão, de R$ 1.527, ficou menor do que o pagamento médio no desligamento, de R$ 1.684. Nos dois foram registradas quedas de, respectivamente, R$ 10,33 e R$ 8,08.

Também divulgado este mês, um estudo feito pelo Centro de Estudos de Economia Agrícola da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz de Piracicaba (Cepea/Esalq) mostrou que o agronegócio brasileiro emprega 19 milhões de pessoas – dos trabalhadores no campo às empresas ligadas à toda cadeia do agronegócio. O setor é grande e conta com a ajuda da tecnologia e da ciência em sua longa cadeia de produção.

Estimativa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), também divulgada este mês, indica de que o PIB-volume do agronegócio em 2018 apresente alta de 5,5% este ano. Em 2017, a agricultura e o agronegócio no Brasil contribuíram com 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, a maior participação em 13 anos, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Os dados publicados no final de 2017 apontaram que a criação de empregos foi a mais alta em cinco anos nos setores de agricultura e produção de carne, os únicos segmentos da economia que aumentaram o emprego.

 

Fonte – CNM

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta