Rodeios voltam no Amazonas com os ajustes da lei, na 2ª ExpoManaquiri

Variedades

A cidade de Manaquiri no Amazonas foi a pioneira, ou o primeiro município do Norte do país em 2017, depois da proibição do rodeio (no Brasil), a atender os critérios e a nova legislação, e , a seguir os padrões de rodeio e exposição de agronegócio, além de ser o primeiro retomar as atividades, e este ano, ter os peões assegurados, com cuidados e bem estar dos animais.

Os organizadores tomaram as medidas, depois da proibição, exigidas pelo MPF e a exposição de Manaquiri foi formatada como modelo a ser replicado no circuito amazonense de rodeios.
Manaquiri foi o primeiro município do Norte do país, depois da proibição do rodeio (no brasil), a atender os critérios e a nova legislação e a seguir os padrões de rodeio e exposição de agronegócio e o primeiro retomar as atividades e ter os peões assegurados, com cuidados e bem estar dos animais. No segundo ano de realização da feira agropecuária do município o desafio é consolidar a promoção da produção agrícola e florestal sustentável, além de atração culturais da região. “Estamos recebendo a visita de outros promotores de exposições agropecuárias e rodeios para conhecer como montamos nosso parque de exposições com competição segura e um formato bem dentro das características rurais amazônicas, da nossa sociobiodiversidade, explicou o prefeito Jair Souto.

Na sua segunda edição da Expomanaquiri 2018 amplia a estrutura do seu parque de exposições e as atrações artísticas e culturais. A arquibancada do rodeio, barracas, stands e boxes foram ampliados para receber o grande público esperado, no período de 4 a 8 de julho próximos, na sede do município de Manaquiri, que fica a 65 km de Manaus, e recebe visitantes da capital e municípios vizinhos de Autazes, Iranduba, Manacapuru, Careiro, Castanho, Anamã e caravanas de mais longe.

“Projetamos desde o início uma feira regional autêntica de verdade com produtos, produtores e atrações artísticas locais e regionais, para que os recursos públicos investidos ficassem no município e na região”, explicou o prefeito Jair Souto, que justifica o evento como um investimento pé no chão e crescente a cada ano de forma sustentável economicamente e ambientalmente.

Com base na movimentação da primeira edição em 2017, os números esperados para este ano são otimistas mas, podem ser superados pela expectativa das interações nas redes sociais, por isso, aguardamos mais de 30 mil pessoas circulando nos dias da expo, e os negócios esperados devem superar os dois milhões de reais no ano passado, devendo ultrapassar os 3,5 milhoes de reais agora em 2018.

Sociobiodiversidade

O município de Manaquiri foi reconhecido até 2013, pela Organização das Nações Unidas (ONU), por ter alinhado suas metas com os Objetivos do Milênio (ODM), e na atual gestão, também tem seu planejamento estratégico voltado para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). “Esta segunda Expomanaquiri, foi formatada dentro desses objetivos da sustentabilidade explorando e difundindo a produção florestal, agrícola e industrial ambientalmente e socialmente responsáveis”, disse o secretário de Produção Rural e Abastecimento (Sempra), Mário Jorge.

A feira municipal de produtos regionais (Femapre) está também em atividade no seu segundo ano e coloca em prática todos os fundamentos da produção sustentável e socialmente responsável. “O número de produtores cresce a cada semana, com produtos de qualidade e orgânicos a preços muito baixos, pois encurta o caminho até o consumidor com o apoio logístico da prefeitura”, justificou Souto. A partir desta matriz de desenvolvimento a ideia da Expomanaquiri veio como principal estratégia de divulgação da produção primária sustentável do município.

Parque de exposição

Numa área de mais de mais de dois mil metros quadrados, o parque de exposições está sendo montado com uma grande arena de rodeio com 5 mil lugares para o público, um grande palco externo com grande área para um público de mais de 20 mil pessoas; além das barracas-galpões para exposição de animais de fazenda e sítios; em vários locais serão instalados os boxes de alimentação e feirinha de artesanato. “Este ano vamos ampliar para duas um sucesso da primeira expo que é a casa de farinha tradicional com fornos ativos produzindo nossas farinhas, além de tapiocas , beijus e outras iguarias tradicionais ribeirinhas”, revelou Souto.

Vários canteiros com hortaliças vão estar expostos juntamente com mudas de espécies aromáticas da floresta como andiróba, copaíba, pau-rosa dentre outras; da fruticultura teremos mudas de açaí nativo de alta produtividade, araça-boi, patauá, uixi-liso, laranjas e demais cítricas; as raízes são culturas tradicionais como as batatas-doces, macaxeira e madioca, além de grãos. “No auditório da secretaria de produção rural e abastecimento, vamos realizar cursos e oficinas mostrando as melhores técnicas de cultivo e as vantagens das culturas expostas para o produtor regional”, disse o secretário.

Valores da terra

Na arena de shows os eventos são todos contratados tendo como critérios os valores locais e estadual, com cantores e grupos regionais. “Vamos mostrar que nossos artistas e demais atrações são muito bons, ao ponto de terem destaque em outros estados; precisamos valorizar nossos talentos”, comentou Souto. Ele também que o investimento feito nesses shows são recursos altos que precisam ficar um pouco no local e também no estado para gerar riquezas aqui mesmo e não mais levarem nosso suado dinheiro para fora.

 

Fonte – PMM

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta