Semana do Meio Ambiente do Inpa explora brincar de aprender no contato com a natureza

Variedades

Diversão e aventura recheada de conhecimento. Assim crianças de várias escolas de Manaus encaram a visita ao Bosque da Ciência durante a Semana de Meio Ambiente do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC). O espaço de visitação pública do Inpa está com diversas atividades de educação ambiental, lazer e observação para todas as idades até o próximo domingo (10). A entrada é gratuita.

Nos seis dias de evento, os visitantes participarão da programação que tem como tema Acabe com a poluição Plástica, mobilização mundial puxada pela Organização das
Unidas (ONU). Estimativas dão conta que se a produção continuar com os altos números – com oito milhões de toneladas por ano indo parar nos oceanos anualmente, em 2050, haverá mais plástico no mar que peixe.

Nesta terça-feira, os pequenos soltaram a criatividade em pinturas livres pelas trilhas do bosque, montagem de quebra-cabeça ambiental, plantio de mudas, oficina de artesanato, além de se encantarem com a variedade de espécies de plantas e animais da Amazônia.

Explorando o ambiente do Bosque da Ciência, um fragmento florestal em plena área urbana de Manaus, os visitantes puderem conhecer sumaúma – a gigante da Amazônia, um exemplar da Tanimbuca – árvore de 600 anos, mogno, e animais como cotia, macaco, peixe-boi, poraquê, peixes e tartarugas.

“Eu gostei de ver o peixe-boi, ele estava saltando, e quero ver macaquinho”, conta Guilherme Melo de Oliveira, 3, estudante da Creche Aquarela do ABC.

Brincar de aprender sensibiliza os estudantes desde pequenos para os temas ambientais e de forma lúdica internalizam conhecimento para a vida. Com um quebra-cabeça de dois metros e com 50 peças, alunos, pais e professores participam de um jogo no qual as atitudes vão decidir se o planeta será mais bonito e saudável.

O quiz traz para o público de forma bem divertida uma reflexão sobre mudanças climáticas, trabalhando a proposta de que pequenas atitudes ajudam a transformar o mundo em um lugar melhor pra se viver.

“Temos a imagem de uma menina triste, rodeada de poluição. E cada vez que o participante toma uma atitude como desligar o ventilador, fechar a porta da geladeira, ele ganha uma peça e transforma o cenário em um ambiente saudável e bonito”, explica a bióloga e bolsista do Laboratório de Psicologia e Educação Ambiental (Lapsea) Jamylle de Souza Oliveira.

A quantidade e variedade de árvores e bichos encantam crianças e adultos. “É primeira vez que a gente vem com as crianças e é maravilhoso ver a empolgação delas”, diz a professora do Centro Municipal de Educação Infantil Tenente Roxana Pereira Bonessi, Helen Rute Domingues Pinheiro. “Esta é uma atividade extraclasse maravilhosa para eles observarem a natureza e depois vamos trabalhar esse conteúdo através do desenho e da rodinha de conversa”.

Também é possível acompanhar palestras, oficinas diversas e a exposição Latitude Amazônica do artista plástico Jair Jacqmont que faz uma interpretação das nuvens. A exposição fica em cartaz no Paiol da Cultura até 26 de agosto.

 

Fonte – Inpa

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta