Inpa conquista Prêmio Capes-Elsevier na categoria ODS-07 Energia limpa e acessível

Ciência e Tecnologia

Uma das mais importantes instituições científicas que produz conhecimento sobre a Amazônia, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) alcançou mais um reconhecimento. O Inpa conquistou o Prêmio Capes-Elsevier na categoria ODS-07 Energia limpa e acessível. Ao todo, 13 instituições de pesquisa do Brasil foram consagradas na quinta edição do Prêmio Capes – Elsevier.

A lista é feita pela editora Elsevier em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC). A premiação acontece nesta terça-feira (5), na sede da Capes, em Brasília.

O reconhecimento é concedido a instituições que se destacaram pela contribuição de maior impacto a assuntos ligados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para a diretora em exercício do Inpa, Hillândia Brandão, o prêmio representa o reconhecimento da importância das pesquisas científicas que o Instituto desenvolve para conhecer a Amazônia e contribuir com o desenvolvimento sustentável da região. “Isso mostra o reconhecimento de um trabalho coletivo em prol da ciência na Amazônia, e parabenizo todos os pesquisadores, servidores e colaboradores que contribuíram para colocar o Inpa no rol das instituições homenageadas”, comemora.

Os vencedores foram selecionados a partir do indicador que analisa a porcentagem das publicações entre o ranking dos 10% mais citados em cada ODS, extraído da ferramenta de métricas SciVal, da Elsevier. Além do indicador, são elegíveis para concorrerem ao prêmio as instituições com mais de 2.000 documentos nos últimos cinco anos (2018-2022) e, ainda, as top 100 instituições com contribuição a cada ODS.

A metodologia engloba o período de 2018-2022, e norteia-se pelo manual “Research Metrics Guide Book”, disponível em (https://p.widencdn.net/5pyfuk/ACAD_RL_EB_ElsevierResearchMetricsBook_WEB ).

Entre os estudos do Inpa ou com participação de pesquisadores e discentes do Instituto que colaboraram para o resultado do Instituto na categoria ODS-07 está “Redução das emissões de gases de efeito estufa da energia hidrelétrica da Amazônia com planejamento estratégico de barragens”, publicado na Nature, em 2019, e tem Bruce Forsberg entre os autores.

Outro estudo mais recente (2022) é “Código de barras de DNA sugere novas espécies para o subgênero Mansonia (Mansonia, Mansoniini, Culicidae, Diptera) no entorno da hidrelétrica de Jirau, município de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil”, publicado na Acta Trópica, uma revista internacional sobre doenças infecciosas. O artigo é assinado pela pesquisadora Vera Scarpassa, e tem outros autores ligados ao Inpa, como Rosemary Aparecida Roque, Wanderli Pedro Taddei (in memoriam) e Francisco Augusto da Silva Ferreira.

Veja algumas publicações do Inpa que se enquadram entre as 10% mais citadas em todo o mundo na categoria ODS-7

Redução das emissões de gases de efeito estufa da energia hidrelétrica da Amazônia com planejamento estratégico de barragens.

Abacaxi (Ananas comosus) deixa cinza como base sólida catalisadora para síntese de biodiesel.

Mortalidade maciça de árvores devido a distúrbios de pulso de inundação nas florestas de várzea da Amazônia: os efeitos colaterais da produção de energia hidrelétrica.

Altas proporções de infecções assintomáticas e submicroscópicas por Plasmodium vivax em uma área periurbana de baixa transmissão na Amazônia brasileira.

A variabilidade espaço-temporal do armazenamento de água subterrânea na Bacia do Rio Amazonas.

Mapeando pesquisas sobre energia hidrelétrica e sustentabilidade na Amazônia brasileira: avanços, lacunas no conhecimento e rumos futuros.

Povos indígenas da Amazônia são ameaçados pela rodovia brasileira BR-319.

Características ecológicas modulam as respostas de espécies de aves à fragmentação florestal em um arquipélago antropogênico amazônico.

A sombra da barragem de Balbina: uma síntese de mais de 35 anos de impactos a jusante nas florestas de várzea da Amazônia Central.

Velocidades críticas do vento sugerem que o vento pode ser um importante agente de perturbação nas florestas amazônicas.

Código de barras de DNA sugere novas espécies para o subgênero Mansonia (Mansonia, Mansoniini, Culicidae, Diptera) no entorno da hidrelétrica de Jirau, município de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil.

 

Fonte – Ascom

Foto – Divulgação

 

Deixe um comentário