Em Belém, o Inpa destaca 70 anos de trajetória científica na Amazônia

Ciência e Tecnologia

Neste domingo (7), tem inicio a 76ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Belém (PA), um dos maiores eventos científicos da América Latina. A participação do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) já virou tradição e neste ano ressalta os 70 anos de trajetória científica da instituição que é referência nos estudos de biodiversidade amazônica, do funcionamento da maior floresta tropical do mundo e das mudanças climáticas.

Pesquisadores, técnicos e bolsistas do Inpa participarão com palestras, conferências e mesas- redondas e no estande do Instituto na ExpoT&C. Na mostra serão apresentadas pesquisas, tecnologias e inovações produzidas pelo Instituto.

Mais de 35 mil pessoas são esperadas para o evento, que tem como tema “Ciência para um futuro sustentável e inclusivo: por um novo contrato social com a natureza”. A cerimônia de abertura será no domingo (7), a partir das 16h30 (hora de Manaus), no Theatro da Paz, com transmissão ao vivo pelo canal da SBPC no YouTube. A programação segue durante toda a semana, até sábado (13), no campus da Universidade Federal do Pará (UFPA).

O diretor do Inpa, Henrique Pereira, aponta que o Inpa fará uma participação significativa, já que faz ciência voltada para o tema da SBPC deste ano. “Somos uma instituição de referência para o desenvolvimento sustentável da Amazônia com base na ciência. E definitivamente esse desenvolvimento sustentável para a região significa, dentre outras abordagens, a manutenção dos ecossistemas, do próprio bioma amazônico e da inclusão das populações locais”, frisa.

Ao todo, a programação científica terá 286 atividades, sendo 208 debates presenciais e 78 virtuais, entre debates, mesas-redondas e sessões especiais, minicursos, oficinas e outras atividades lúdicas e culturais. Além das atividades tradicionais, como a ExpoT&C, reunindo mais de 45 expositores, a SBPC Jovem, com 71 estandes e a Sessão de Pôsteres, que irá expor 391 trabalhos.

Inpa na EXPOT&C

A ExpoT&C é uma mostra de ciência, tecnologia e inovação que reúne diversos expositores de instituições do MCTI, universidades e agências de fomento e outras organizações. No estande do Inpa, o público poderá fazer uma imersão nos principais feitos da instituição em 70 anos de implantação e sua atuação para conhecer a biodiversidade, os ecossistemas amazônicos e a formação de uma nova geração de pesquisadores.

Além da Linha do Tempo, o estande destaca ainda em sua identidade a participação de alunos indígenas na pós-graduação e de um projeto desenvolvido em Terra Indígena do Alto Rio Negro, do qual um dos resultados será a publicação de um guia de aves com autoria dos próprios indígenas.

No espaço, o visitante contará com amostras da biodiversidade da Amazônia, que compõem a exposição didática das Coleções Zoológicas, entre as quais cerca de 80 insetos, jacarés e uma onça-pintada taxidermizada. O felino foi vítima de atropelamento e doado ao Inpa para ser utilizado nas ações de educação ambiental.

Alimentos e essências amazônicas também estarão presentes no estande, bem como as principais publicações da Editora do Inpa, incluindo livros, cartilhas, guias e revistas científicas.

Na ExpoT&C também será apresentada a obra coletiva “Bioeconomia para quem? Bases para um desenvolvimento sustentável na Amazônia”, no dia 12, às 11h (de Belém). A publicação é fruto de uma colaboração do Inpa, por meio do pesquisador Adalberto Val, Fea-USP, UFPA e Instituto Peabiru. O encontro será presencial. Para receber informações atualizadas sobre a atividade e sobre a disponibilidade do livro, nas versões física e digital, inscreva-se aqui.

Participação dos pesquisadores

Na segunda-feira (8), a bolsista de pós-doutorado Aurora Miho Yanai participará da mesa-redonda “A Amazônia entre o extrativismo primitivista e desenvolvimentismo igualmente predatório: em busca de uma alternativa sustentável e inclusiva (ABEP)”. A pós-doc foi anunciada recentemente como membro afiliada da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Região Norte.

Já na terça-feira (9), Philip Fearnside, apresentará a conferência “A perda dos serviços ambientais ameaça um futuro sustentável e inclusivo para a Amazônia”.

No dia seguinte (10), o diretor do Inpa, Henrique Pereira, vai compor uma mesa-redonda discutindo as unidades de pesquisa do MCTI na Amazônia, com a participação de representantes do Ministério (MCTI), do Museu Paraense (MPEG) e do Instituto Mamirauá (IDSM).

Ainda na quarta, mas na SBPC Afro e Indígena, a pesquisadora Camila Ribas participará da mesa-redonda “De quanta água um rio precisa? Partilha da água entre os povos do rio Xingu e a UHE Belo Monte sob mudança climática.

No quinta (11), Bruce Forsberg, gerente científico do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA/ MCTI-Inpa), discutirá as mudanças climáticas e ciclo de carbono na Amazônia em uma mesa-redonda, enquanto pesquisador Jochen Shöngart, participará da mesa-redonda “A hidrografia, os aquíferos, as secas e enchentes na Amazônia”.

Encerrando a participação do Inpa, o pesquisador Adalberto Luís Val contribuirá com a mesa-redonda “Fundo Amazônia e a estratégia de desmatamento zero até 2030”, na sexta-feira (12).

 

Fonte – Ascom

Foto – Divulgação

Deixe um comentário