Empresas apostam em tecnologia e salas menores para diminuir distâncias e aumentar produtividade de reuniões

Ciência e Tecnologia

Sistema de ‘huddle rooms’ deve ser implantado por 73% das empresas globais em até cinco anos, aponta estudo da Frost & Sullivan encomendado pela Poly

A regulamentação do trabalho remoto, a incorporação de novas gerações no mercado de trabalho e o aumento dos custos imobiliários são alguns dos motivos que levam as empresas brasileiras a modificar a maneira como operam, migrando para a colaboração – presencial ou remota – que, por sua vez, está trazendo mudanças tanto nos esquemas de trabalho como nas próprias instalações.

As empresas estão optando pela adoção e incorporação de ‘huddle rooms’, ou seja, espaços menores e mais privados para a colaboração, nos quais 3 ou 4 pessoas podem participar de reuniões corporativas ou brainstorming, às vezes à distância, graças ao fato de terem a tecnologia necessária para realizar videoconferências. Segundo um estudo encomendado pela Poly, marca que surgiu da fusão entre Polycom e Plantronics, e realizado pela Frost & Sullivan, hoje em dia apenas 18% das empresas estão implementando esse sistema, o que deverá crescer para 73% em cinco anos.

Embora essa tendência esteja aumentando e diferentes organizações já estejam implementando o modelo, algumas ainda não estão fazendo isso da forma recomendada. Frequentemente, esses espaços se traduzem em uma pequena sala onde as empresas que possuem grandes espaços abertos de trabalho permitem que as pessoas as usem com eficiência. No entanto, elas não contam com a tecnologia necessária para viabilizar as conexões entre pessoas que estão em diferentes pontos.

“As empresas precisam ser atualizadas para se adaptarem às tendências trabalhistas, pois, em muitos casos, isso as torna mais atraentes para os funcionários e elas podem até se beneficiar em termos de produtividade. A adoção das huddle rooms, com as implicações tecnológicas que isso traz, permite uma colaboração efetiva entre os funcionários e, portanto, promove a eficiência”, afirma Paulo Sierra, diretor geral da Poly Brasil.

Para realizar a implementação bem-sucedida de uma huddle room, a Poly recomenda algumas características que esses espaços devem ter, como o tamanho compacto, a conectividade que permita uma comunicação remota e um sistema robusto de áudio e vídeo.

Sobre a Poly

A Poly é uma empresa global de tecnologia para comunicação que incentiva a colaboração e a conexão entre as pessoas. A companhia combina conhecimento de áudio e vídeo com a capacidade de superar distâncias e diminuir distrações que costumam atrapalhar o dia a dia no ambiente de trabalho. Isso é traduzido em soluções que, quando combinadas com plataformas de empresas parceiras, facilitam a rotina. Nossos headsets, software, telefones, equipamentos para conferências, indicadores de desempenho e serviços são usados ao redor do mundo, se tornando a principal escolha em todos os tipos de organizações.

Fonte – Segs

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta