Patrimônios culturais estarão na pauta dos debates em Manaus (AM); conheça os novos

Música

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reconheceu mais três novos Patrimônios Culturais do Brasil. As expressões culturais Marabaixo, do Amapá, e o Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins estão nessa lista. Ainda foi tombado o Geoglifo do Sítio Arqueológico Jacó Sá, no Acre. Debates voltados à preservação desses e outros Patrimônios Culturais irão fazer parte da programação do 5º Encontro das Cidades Históricas, Turísticas e Patrimônio Mundial que acontece entre os dias 22 e 24 de novembro em Manaus, no Amazonas. As inscrições estão abertas e são gratuitas.

Diante da importância do tema do patrimônio cultural, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) e a Organização das Cidades Brasileiras do Patrimônio Mundial (OCBPM) vão realizar o encontro pela primeira vez na região Norte. O evento conta com o apoio institucional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e patrocínio da Caixa.

Na ocasião, o presidente da CNM, Glademir Aroldi, vai debater essa temática com governadores dos Estados da Região Norte, ministros, presidentes de entidades municipais, parlamentares e especialistas. Mais de 300 participantes já confirmaram presença. As inscrições podem ser feitas no site.

Saiba mais sobre os novos Patrimônios Culturais do Brasil:

As expressões culturais Marabaixo

Por ser uma forma de expressão que reúne referências culturais vivenciadas e atualizadas pelos amapaenses, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural negra brasileira, o Marabaixo foi reconhecido e registrado como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

Fruto da organização e identificação predominante entre as comunidades negras do Amapá, o Marabaixo é uma expressão cultural de devoção e resistência que representa tradições e costumes locais e reúne ritmo, dança, vestimentas, comidas e literatura. A origem do nome remete aos escravos que morriam nos navios negreiros; seus corpos eram jogados na água e os negros cantavam hinos de lamento mar abaixo e mar acima.

Os negros escravizados passaram a fazer promessas aos santos que consagravam e, quando a graça era alcançada, se fazia um Marabaixo. Sua herança é deixada de pai para filho e está associada ao fazer religioso do catolicismo popular em louvor a diversos santos padroeiros.

Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins
São muitos os modos de brincar que celebram o Boi Bumbá pelo Brasil. Na região Norte, o folguedo se estabeleceu de forma marcante nas regiões do Médio Amazonas e Parintins (AM), misturando uma série de danças, músicas, drama e enredo que faz o coração dos brincantes e do público pulsar forte. O Complexo é uma das mais tradicionais e reconhecidas expressões culturais do país, uma manifestação cultural de caráter festivo, que tem a figura do Boi como seu elemento principal e envolve uma série de danças, músicas, drama e enredo.

Com influências das missões jesuíticas, agregando referências indígenas, negras e de outras regiões, como o Nordeste, os Bois se caracterizam por fortes elementos marcados na transmissão do folguedo. Essas características estão presentes na construção das identidades sociais e no intenso envolvimento das comunidades na preparação de seus três formatos – Boi de Arena, Boi de Terreiro e Boi de Rua – e dos inúmeros saberes que constituem o chamado Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins.

Geoglifo do Sítio Arqueológico Jacó Sá

Denominados tatuagens da terra por grupos indígenas atuais, as estruturas conhecidas como geoglifos, herança cultural dos povos amazônicos, são numerosos na região Norte do país. Uma dessas estruturas, localizada no Sítio Arqueológico Jacó Sá, em Rio Branco (AC), foi tombada como Patrimônio Cultural Material do Brasil.

Além de sua importância científica, histórica e afetiva, o geoglifo tem fácil acesso e pode ser identificado claramente por visitantes, sendo um potencial atrativo turístico. O geoglifo foi o primeiro tombado pelo Iphan.

As estruturas conhecidas como geoglifos são um tipo de sítio arqueológico, formado por estruturas escavadas no solo, valetas e muretas que representam figuras geométricas de diferentes formas e grandes dimensões. Essenciais para entender o processo de ocupação e povoamento da região amazônica, onde grupos indígenas modificaram o ambiente e imprimiram na terra as características de sua identidade, essas marcas são numerosas na região Norte do país e, em especial, no Acre.

Reunindo Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, a região Norte possui outros bens culturais reconhecidos pelo Iphan, como, por exemplo, o Círio de Nazaré, no Pará, e a Arte Gráfica Wajãpi, do Amapá, que são, também, Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

 

 

Fonte – CNM

Foto – Divulgação