Bancos devem começar a financiar franquias em todo país

Notícias

O bom desempenho do setor de franquias no Brasil, que registrou crescimento de 7,8% de receita total no terceiro trimestre deste ano sobre mesmo período de 2017, tem chamado a atenção dos bancos. Como nos três meses pesquisados, o faturamento passou de R$ 38,8 bilhões para R$ 41,8 bilhões, segundo Pesquisa de Desempenho Trimestral divulgada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), as instituições financeiras lançaram ou reforçaram suas equipes e linhas de crédito focadas no setor.

O Banco do Brasil, a Caixa Econômica, Itaú, Santander e Bradesco estão com os olhos voltados ao segmento, principalmente pela baixa taxa de risco que este modelo de negócio oferece. Dentro deste cenário, os líderes do mercado, Bradesco e Santander se destacam e estão disponibilizando, juntos, mais de R$ 1,6 bilhão em crédito para franquias este ano, o que corresponde a cerca de 70% do dinheiro disponível neste mercado e um recorde no setor. Para 2018, a promessa é que o valor chegue a R$ 2 bilhões.

Para Alexandre Teixeira, superintendente executivo de Pequenas e Médias Empresas do Santander, que foi pessoalmente à convenção da ABF acompanhar e expor os produtos do banco, o setor de franquias foi o último a sentir a crise e o primeiro a sair dela. “Estamos otimistas. Tanto que o crédito disponível em 2016 foi de R$ 220 milhões, e este ano mais que quadruplicamos e estamos disponibilizando R$ 1 bilhão em crédito pré-aprovado para franquias”, afirma. As principais linhas trabalhadas pelo banco são o Giro Franquias, com taxas de 1,29% ao mês, e o Giro Cartões, que parte de taxas de 1,45% ao mês.

“Ambas são linhas que oferecem carência de seis meses e prazo de até 48 meses para pagamento. Podem ser usados como capital de giro, compra de equipamentos, reforma, novas unidades, para todas as etapas da franquia”, resume. O banco trabalha ainda com repasses do BNDES, crédito com taxa de 5,5% ao ano mais TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo – cerca de 7%). A carência é de 12 meses e o prazo de pagamento de até 60 meses. Para 2018, o gestor acredita que a demanda por crédito no setor irá ultrapassar o R$ 1 bilhão ofertado este ano. “Vamos chegar em dezembro com 300 redes de franquias conveniadas. Em 2018, queremos avançar mais.”

Com 400 redes de franquias conveniadas e um crédito de R$ 675 milhões disponibilizado até o momento, o Bradesco está disputando lado a lado a liderança do mercado com o Santander. Henrique Messeder, gestor da equipe de Franquias e Negócios do Bradesco, também esteve na convenção da ABF fazendo contatos e apresentando a cesta de produtos do banco e acredita que o crédito, em 2018, deverá crescer 12%. “Estamos com um crescimento médio de 9% este ano e a perspectiva para o ano que vem é melhor. Entre julho de 2015 e julho deste ano tivemos um aumento de R$ 400 milhões nas operações de crédito. Para 2018, estamos apostando muito nos segmentos de alimentação, saúde, beleza e bem-estar”, reforça Messeder.

O banco trabalha com duas linhas principais a Capital de Giro Fampe, com taxas de 1,39% ao mês (a depender do relacionamento), e a linha de repasse do BNDES, que é subsidiada e tem taxas de 5,4% ao ano mais TJLP (cerca de 7%), além de outros serviços como desconto de recebíveis e microcrédito para microfranquias. “Acreditamos no varejo do Brasil e buscamos o maior nível de personalização possível, até nossa mesa de crédito é exclusiva porque queremos atender cada marca na forma que ela necessita”, completa o gestor.

Desempenho por segmento – Terceiro trimestre 2017 sobre terceiro trimestre 2016

1 – Entretenimento e lazer – 13,1%

2 – Comunicação, Informática e Eletrônicos – 12,7%

3 – Serviços educacionais e outros serviços – 9,7%

4 – Saúde, Beleza e Bem-Estar – 9,2%

5 – Casa e Construção – 9,2%

6 – Moda – 7,8%

7 – Serviços automotivos – 6,2%

8 – Alimentação – 6,1%

9 – Hotelaria e Turismo – 3%

10 – Limpeza e Conservação – 2,4%

 

 

Fonte – ABF

Deixe uma resposta