Micro e pequenas empresas têm oportunidades na área de paradas de manutenção

Notícias

As paradas de manutenção, intervenções programadas para realização de manutenção preventiva em equipamentos industriais, configuram-se em oportunidades para micro e pequenas empresas. Os empresários que ofertam serviços nessa área obtiveram mais informações de como encontrar essas oportunidades durante o Café com Energia, realizado na manhã da última terça-feira, 30, no Hotel Quality, em Salvador.

Participaram do evento empresas que são contratantes diretas dos empreendimentos que ofertam esse tipo de serviço. Os representantes dessas empresas explicaram de que formam atuam e quais as principais demandas para essa área.

Thiago Pombal, diretor de operações da NPE, relatou que a empresa nasceu focada em contratos de rotina e de manutenção e, com o passar dos anos, começou a absorver também contratos de paradas de manutenção, que vem crescendo ano após ano.

Segundo Pombal, em 2018, os contratos de manutenção representaram 5% da carteira de serviços da NPE e a previsão é que este ano chegue a 25%. “Já para o ano que vem, estamos na expectativa de que as paradas de manutenção representem 40% de nossa carteira”, complementou.

Já Cláudio Ponchio, da VP Engenharia, abordou aspectos mais gerais da cadeia de serviços da parada de manutenção. Ele destacou a necessidade de melhorias operacionais, especialmente em contratos de longo prazo. “É fundamental um sistema de gestão e controle eficiente, que permita uma um planejamento cuidadoso de como vai ser conduzido aquele contrato”, explicou.

Os participantes do Café com Energia também conheceram a atuação da Geopointer, empresa baiana com oito anos de mercado, que hoje atua também na área de paradas de manutenção. O empresário Lincoln Soares falou sobre como a Geopointer surgiu, há cerca de oito anos, já com um alto nível de tecnologia na área de medições, controle dimensional e documentação 3D.

Mas Soares lembra que passou por dificuldades em meio à crise econômica que atingiu o Brasil, principalmente entre os anos de 2014 e 2015. “Foi aí que buscamos o Sebrae e mudamos o rumo do negócio. A partir das consultorias, começamos a desenvolver ferramentas, especialmente das partes de gestão administrativa e de marketing e vendas. Organizamos processos e fizemos uma fusão como uma pequena empresa no mercado”, conta.

A partir daí, a Geopointer também começou a atuar na área de paradas de manutenção e, de acordo com Soares, mesmo no auge da crise, conseguiu registrar um crescimento significativo. “Nossa projeção de crescimento para 2020 é de 36%”, contou o empresário.

Café com Energia

Esse foi o primeiro Café com Energia do ano e, segundo a analista da Unidade de Ambiente de Negócios, Aline Lobo, serão realizados outros cinco encontros até o fim de 2019.

“O objetivo é promover essa possibilidade de troca de informações, networking e a apresentação de oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas”, destacou.

Entre os segmentos contemplados para os próximos eventos, estão óleo e gás, energia, com foco em energia eólica, termoelétricas, papel e celulose e infraestrutura. O consultor Eduardo Aragon pontuou ainda que esta edição do Café com Energia buscou contemplar as contraentes diretas de micro e pequenas empresas.

“No caso da área abordada neste Café com Energia, temos oportunidades já para novembro, com a parada da Braskem”, afirmou, acrescentando que está sendo programada para o mês de agosto uma rodada de negócios entre os pequenos negócios e as empresas contratantes.

 

Fonte – Sebrae

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta