Simpósio discute ética, bem-estar e biossegurança na pesquisa com animais

Ciência e Tecnologia

Ética, bem-estar animal e biossegurança são discutidos no 4° Simpósio de Experimentação Animal do Amazonas (Simpexa), que acontece de 6 a 8 de novembro, em Manaus, reunindo especialistas de âmbito nacional no tema. Associado ao Simpósio, acontece o I Encontro de Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs) da Região Norte, no dia 8. A programação ocorre no auditório da Ciência, campus I do Inpa, em Manaus.

O 4° Simpexa é realizado pela Embrapa Amazônia Ocidental e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), com a participação de pesquisadores, estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais de diversas áreas científicas que utilizam animais.

Na primeira palestra do simpósio, a coordenadora do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), Renata Mazaro, explicou o papel deste conselho que é integrante do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Mazaro destacou a importância do País zelar pela integridade ética em suas pesquisas científicas e,para isso,manter um conselho nacional e garantir uma legislação nacional que aborda o uso ético dos animais. O Concea é responsável por estabelecer regras para o uso humanitário de animais com finalidade de ensino e pesquisa científica, assim como o credenciamento de instituições que desenvolvem atividades nessa área. É uma instância colegiada multidisciplinar de caráter normativo, consultivo, deliberativo e recursal, formada por representantes do governo, universidades, pesquisadores, laboratórios e sociedades protetoras de animais.

Dentre as questões abordadas, Mazaro destacou que o Concea estimula a implementação de métodos alternativos no Brasil, que são validados internacionalmente e buscam a substituição ou redução do número de animais nos experimentos ou ainda métodos mais refinados que consigam garantir o bem estar dos animais e também a reprodutibilidade e a confiabilidade do resultado dos testes, e com isso também reduzir a repetição de experimentos.

Para isso, entrou em vigor em setembro deste ano a Resolução Normativa n° 18 do Concea, que diminui ou substitui o uso de animais por métodos alternativos em 17 tipos de testes e experimentos. A norma vale para empresas e instituições de pesquisa públicas e privadas em todo o Brasil, e tem efeito de lei, com previsão de punições e multas para o não cumprimento.

Atualização de conhecimentos – Durante a abertura do Simpósio, a chefe-geral da Embrapa Amazônia Ocidental, Cheila Boijink, ressaltou a parceria Inpa e Embrapa na organização do simpósio e agradeceu a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) pelo patrocínio do evento, que traz temas importantes na atualização de conhecimentos , e abordagem da ética na pesquisa com animais. Boijink destacou que as comissões Ceuas têm extrema responsabilidade no papel de orientar os pesquisadores e todos que manipulam animais para fazer as ações de forma que amenize o sofrimento e preserve bem estar dos animais.

A representante da Fapeam, Ana Cláudia Maquiné Dutra, parabenizou pela realização do Simpósio ser exitosa e referência na experimentação animal da região norte. A representante do Inpa e uma das coordenadoras do evento, pesquisadora Lígia Uribe Gonçalves, também agradeceu o apoio da Fundação e ressaltou que, no cenário do País de cortes de recursos nas pesquisas, a Fapeam vem mantendo editais e honrando seu compromisso com a ciência.

A pesquisadora Edsandra Chagas, da coordenação do 4° Simpexa, e coordenadora da Ceua da Embrapa Amazônia Ocidental, ressalta que este evento é de grande importância para a capacitação dos pesquisadores e membros de Ceuas, e por permitir a interação e socialização das experiências entre os diversos órgãos que atuam na experimentação animal.

No primeiro dia do simpósio, dia 6, foi apresentado o Papel do Concea na Experimentação Animal, por Renata Mazaro (Concea); o Histórico da Legislação Brasileira de Experimentação , por Etelcia Moraes Molinaro, da Fiocruz-RJ, Produção e Bem-Estar de Animais de Laboratório – Roedores, por Adolpho Marlon Antoniol de Moura (Fiocruz-RJ) e à tarde estes palestrantes participaram da mesa-redonda sobre as Perspectivas da Experimentação Animal no Brasil.

Confira mais da programação:

No dia 7, segue com as palestras: Senciência em Organismos Aquáticos (Renato Hajenius de Freitas/UFSC);Produção e Bem-Estar de Animais de Laboratório – Peixes De Água Doce (Luis David Solis Murgas/UFV); Desafios da Experimentação com Organismos Aquáticos (mesa-redonda com Renata Mazaro/Renato Hajenius de Freitas/Luis David Solis Murgas); À tarde:14h às 15h – Métodos Alternativos e Reprodutibilidade no Uso de Animais em Pesquisa (Marcel Frajblat/Ufrj) ; 15h às 16h – Lei Da Biodiversidade – Conhecendo a Nova Lei de Acesso ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional (Rosa Miriam Vasconcelos/Embrapa-DF); 16h30 às 18h – Inovar, Substituir, Reduzir e Refinar – Este É o Nosso Foco e Também Pode Ser o Seu (Cleide Falcone/Hospital Israelita Albert Einstein)

No dia 8, de 8h às 8h30 é a abertura do I Encontro de Ceuas da Região Norte; de 8h30 às 10h – Mesa-Redonda: Relato de Experiências de Ceuas Consolidadas (Renata Mazaro/Etelcia Moraes Molinaro/Marcel Frajblat); 10h30 às 12h – Mesa Redonda: Relato de Experiências de Ceuas Da Região Norte (Representantes de Ceuas da Embrapa/Inpa/Nilton Lins/ Uea/Ufam/ Fiocruz/Ifam/FMT); 14h às 17h – Visita Técnica ao Laboratório Temático Biotério Central do Inpa; 17h às 18h – Encerramento.

 

Fonte – Embrapa Amazônia Ocidental

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta