Trabalho excessivo em casa pode implicar riscos para a saúde

Variedades

O trabalho em casa é uma realidade cada vez mais presente no dia a dia do brasileiro, neste momento de pandemia. No entanto, se realizada de maneira incorreta, essa atividade pode causar sérios danos à saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), muitas pessoas sofrem incômodos pela postura incorreta, como é o caso da dor lombar, que afeta sete em cada dez pessoas. Móveis inadequados, não adaptados para o trabalho, são os responsáveis por dores nas costas, cefaleia, fadiga e outros problemas. Por esses motivos, a postura é essencial. O médico Dennis Barbosa, ortopedista do Instituto de Ortopedia da Faculdade de Medicina da USP, lembra que, quando estamos à frente do computador, devemos “ter uma cadeira adequada, onde se consiga apoiar os pés no chão, ou em um suporte ergonômico. Quando se está digitando, o ideal é ter um apoio para os cotovelos, para os punhos e fazer a digitação só com os dedos. As costas devem estar retas, com o monitor na altura dos olhos, para não ficar com a cabeça muito abaixada ou levantada”.

O investimento em móveis planejados, seguindo recomendações para a ergonomia, pode ser uma alternativa para evitar lesões, ou até mesmo o agravamento de alguma enfermidade. Segundo o ortopedista, “o ideal é que a cadeira seja regulável na altura, no encosto, com o apoio do braço ajustável de acordo com a altura da pessoa e da mesa, porque o apoio do cotovelo é importante para não forçar o ombro”.

Ficar horas a fio digitando sem uma pausa para o descanso e para alongar o corpo também é prejudicial. A iluminação é outro cuidado necessário para não forçar a vista e ter dores de cabeça. Segundo Barbosa, “o maior problema no trabalho em casa é a pessoa não saber dosar o quanto está trabalhando. Existe uma tendência de se trabalhar muito mais quando se está em casa. O ideal é tentar manter uma rotina, da mesma maneira que faria no seu local de trabalho, respeitando seu corpo”.

 

Fonte – USP

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta