A moda que regenera a Amazônia

Variedades

Muito mais do que uma tendência, adotar modelos de produção sustentáveis no mundo da moda tem sido uma prática fundamental nos processos de grandes marcas, além de um fator determinante na hora do consumidor escolher o que vai vestir. Por isso, empresas como FARM, AMAR.CA e Gringa cada vez mais escolhem organizações como o Idesam para diminuir o impacto da sua ‘pegada’ no planeta.

Parceira do Idesam em outras iniciativas, a FARM escolheu o Idesam para compensar as suas emissões de CO2 da sua nova coleção, batizada de “Futuro do Presente”. Realizada pelo Programa Carbono Neutro Idesam (PCN), as neutralizações das emissões de dióxido de carbono emitidas pela marca se transformaram em um plantio de 5,3 mil árvores. Esta é a primeira linha inteiramente carbono neutro lançada pela marca.

O plantio das árvores referentes a esta coleção vem sendo realizado desde o ano passado, beneficiando ao todo 19 famílias produtoras de café de Apuí, ao Sul do Amazonas, atualmente um dos municípios mais afetados pelo desmatamento, por conta das queimadas. Para a nova coleção, pelo menos 5,2 mil toneladas de CO2 serão compensadas, com o plantio de 21 hectares.

Na prática, esse montante equivale a 26 mil viagens de carro movido a gasolina (Rio de Janeiro-São Paulo) ou a 5 mil viagens de avião (Rio de Janeiro-Nova Iorque). “Mesmo que já estejamos caminhando para uma produção mais consciente, ainda emitimos CO2 na atmosfera e, por isso, acreditamos que compensar através do plantio dessas árvores foi a forma mais positiva e ativa de nos conectar com a natureza”, destaca a empresa em comunicado oficial sobre o lançamento.

Esta é a primeira vez que a FARM desenha uma estratégia de compensação das suas emissões, apesar de não ser a primeira ação ambiental que a empresa realiza junto ao Idesam. A marca já realizou parcerias anteriores com o instituto em diversas frentes, incluindo ações como a Green Friday, Semana da Amazônia e Clube Farm, onde um valor era doado ao Idesam a cada adesão ao seu clube de fidelidade.

“Agora damos mais um passo nessa parceria, com o primeiro piloto de compensação de emissões de uma coleção inteira para a FARM. Fizemos o mapeamento das emissões de carbono das atividades da empresa, incluindo a compra de matéria-prima, logística, consumo de energia, resíduos gerados, tudo isso foi levado em consideração, o que irá resultar em mais um plantio significativo”, explica Pedro Soares,

Moda Carbono Neutro

Ao longo dos anos, o Programa Carbono Neutro Idesam tem consolidado sua presença no guarda roupa de quem opta por marcas sustentáveis. Recentemente, o PCN fechou parcerias com AMAR.CA, da modelo e empresária Thaila Ayala, também para compensar suas emissões de carbono.

Pensada para atender uma necessidade de moda mais confortável para o home-office, prática mais comum por conta da pandemia do novo coronavírus, AMAR.CA combate as mudanças climáticas transformando as suas emissões de carbono em árvores na Amazônia. Assim, com o PCN, a empresa ajuda a gerar inclusão e renda para as populações amazônicas.

“Contribuímos para a produção sustentável da indústria brasileira e reafirmamos nosso compromisso com a preservação da saúde e bem estar de todos os nossos colaboradores e clientes”, afirma Ayala em comunicado oficial assinado em conjunto com suas duas sócias do empreendimento.

A startup ‘Gringa’, da atriz Fiorella Matheis, foi outra que fechou parceria com o PCN. Além de usar tecido não-tóxico, a Gringa recicla materiais gerados na sua produção, que possui selo do Idesam de Carbono Neutro.

Em seu site oficial, a Gringa convoca suas clientes para contribuir com o trabalho do Idesam, por meio de doações que podem ser feitas no momento do checkout da loja. “Todos nós emitimos gases de efeito estufa apenas por existir. Neutralizar nossas emissões de CO2 é o mínimo que podemos fazer para nos tornarmos mais sustentáveis. Por isso, nos comprometemos a compensar 100% das emissões de CO2 relacionadas ao nosso negócio através do Programa Carbono Neutro, do Idesam”, defende a empresa.

Para Pedro Soares, o segmento da moda tem se movimentado para entender o impacto das suas atividades no meio ambiente e na emissão de carbono, algo que todos os setores da economia precisam entender e tomar atitudes para frear as mudanças climáticas.

“Todos temos responsabilidade no problema das mudanças climáticas. Buscar soluções, seja para reduzir seu impacto ou para apoiar iniciativas que consigam reduzir emissões através do plantio de árvores é algo que todas as empresas deveriam fazer. Tomando a FARM como exemplo, além de uma grande marca do setor, ela também é uma grande formadora de opinião, com consumidores conscientes dos problemas ambientais que enfrentamos. Por isso, o Carbono Neutro Idesam fica muito satisfeito em poder ajudar grandes marcas do setor da moda a reduzir suas emissões a partir de atividades produtivas sustentáveis na Amazônia”, completa Soares.

Fonte – Idesam

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta