Depois que o cuidado termina, o que vem?

Variedades

O que vem a seguir após o término do cuidado? Existe a dor e o luto pela perda do seu ente querido; mas igualmente importante, existe a angústia de perder a identidade. Surge uma enxurrada de perguntas: como seguir em frente, a que lugar pertenço e o que posso fazer que seja tão significativo quanto cuidar?

“Cuidar foi uma das experiências mais gratificantes que já tive, mas quando terminou, senti-me tão isolado sem a minha própria identidade”, disse Jeff Peterson, que cuidou da sua esposa durante mais de dez anos enquanto ela lutava contra uma grave doença.

Deeann Gutenkunst, de Hartland, Wisconsin, também não estava preparada. Ela se lembra de fazer compras no supermercado logo depois que seu marido Charlie faleceu, após uma batalha de uma década contra a doença de Alzheimer. Ela não se lembrava mais do que gostava de comer porque estava acostumada a cozinhar para ele. “Esse foi apenas um exemplo de onde deixei de lado meus próprios interesses porque cuidar consumiu completamente minha vida”, disse ela.

“Quando o cuidado termina, o mesmo acontece com as rotinas e a estrutura do dia, por isso muitas vezes parece que há um buraco na vida de alguém”, disse Denise Brown, autora de “Depois do fim do cuidado, um guia para começar de novo”. “Leva tempo para preencher esse vazio com novas atividades, interesses e pessoas.”

Gerenciando o luto

O ditado “o tempo cura um coração partido” é aquele com o qual muitos cuidadores se identificam. Gutenkunst, que cuidou de Charlie em casa até ele falecer, sentiu um profundo pesar emocional e físico. “Quem diria que o luto poderia causar dor – meu coração doeu fisicamente. Mas então, com o tempo, o luto gradualmente perdeu o controle sobre mim e acabei aprendendo a gostar de viver sozinho.”

Brown ficou triste por um tempo, mas admite que sente a forte presença da mãe em sua vida, o que a ajudou a controlar sua tristeza. Ela sugere que os cuidadores se permitam vivenciar a tristeza e não a ignorem. “Não se esqueça do amor que existia com seu familiar, porque esses sentimentos poderosos podem ajudá-lo a superar momentos difíceis”, disse Brown.

Depois que um ente querido morre, o primeiro ano pode ser difícil com os “primeiros” aniversários e feriados. É difícil passar por esses dias especiais, por isso os especialistas aconselham reservar um tempo para trabalhar o processo de luto. “Não sinta que o seu luto tem um cronograma – reserve o tempo necessário para trabalhar seus sentimentos”, observou Brown.

Maneiras de lidar com a situação

Encontrar maneiras de lidar com a dor e a morte de um ente querido é uma jornada pessoal. Para alguns, isso pode significar organizar uma cerimônia fúnebre ou lembrar um ente querido de uma maneira diferente. “Estar rodeado de amigos e familiares pode ajudar as pessoas a seguir em frente”, disse Brown.

Brown salienta que os mecanismos de enfrentamento desenvolvidos durante o cuidado também ajudarão quando o cuidado terminar. Por exemplo, você pode perder o rótulo de “cuidador”, mas ainda possui todas as características que o tornaram um cuidador, como ser gentil, atencioso, leal e comprometido. “A morte do seu ente querido não acaba com quem você é”, disse ela.

 

Fonte – Portal do Envelhecimento

Foto – Divulgação

Deixe um comentário