Setor de fruticultura se destaca nas exportações brasileiras

Variedades

Em celebração ao Dia Mundial da Fruta, comemorado esta semana, o papel da fruticultura nas exportações brasileiras é destaque. Em 2023, foram cerca de US$ 1,35 bilhão movimentados pelo setor, o maior número da série histórica. Desde 2019, as vendas externas de frutas superam a cifra de US$ 1 bilhão, com aumento de 24,5% no ano passado. O principal destino da fruticultura brasileira é a União Europeia, e cerca da metade de todo o valor exportado em frutas pelo Brasil é direcionado ao bloco europeu.

“O Brasil está se consolidando como o supermercado do mundo e as frutas têm participação significativa nessa questão. Celebramos esse dia evidenciando o empenho do Governo Federal em abrir novos mercados e oportunidades para as frutas brasileiras no mercado exterior”, salienta o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro.

O Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking mundial de produção de frutas, ficando atrás apenas da China e da Índia. O setor responde por 16% de toda a mão de obra do agronegócio, conforme a Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas).

“Nosso sucesso nas exportações de frutas brasileiras, atingindo recorde histórico no último ano, destaca a qualidade e a diversidade da produção nacional. O crescente reconhecimento mundial, especialmente na União Europeia e nos Estados Unidos, reforça o potencial competitivo do Brasil no mercado internacional de frutas. Continuaremos a promover nossas frutas e a explorar novas oportunidades de mercado”, destaca o secretário da SCRI, Roberto Perosa.

O Ministério da Agricultura (Mapa) trabalha no fomento, desenvolvimento e fiscalização da fruticultura brasileira, por meio de boas práticas e incentivos às exportações. De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI), as principais frutas exportadas pelo Brasil em 2023 foram:

– Mangas: 266 mil toneladas. A maior parte das exportações são para a União Europeia que adquiriu 65,5% do valor exportado (US$ 205,82 milhões). Logo em seguida estão os Estados Unidos (US$ 58,61 milhões; +100,9%); e Reino Unido (US$ 20,57 milhões; +26,9%);

– Melões: 228 mil toneladas. As vendas também estão concentradas para a União Europeia, que adquiriu em 2023 US$ 127,11 milhões, o equivalente a 67,2% de todo o valor exportado pelo Brasil de melões frescos. Além da UE, os principais importadores são o Reino Unido (US$ 53,0 milhões; +4,4%) e o Canadá (US$ 3,00 milhões; -11,9%);

– Uvas: 73 mil toneladas. As vendas de uvas frescas foram concentradas em três mercados: União Europeia (US$ 76,48 milhões; +62,7%); Estados Unidos (US$ 58,15 milhões; +116,9%); e Reino Unido (US$ 37,38 milhões; +27,1%);

– Limões e limas: 166 mil toneladas. A UE também é o principal mercado de exportação dessas frutas brasileiras, onde foram exportados US$ 140,94 milhões em 2023 para o Bloco Europeu. Este valor significou 81,0% de todas as exportações brasileiras de limões e limas foram para lá. Outros mercados com mais de US$ 1 milhões foram: Reino Unido (US$ 25,78 milhões; +13,0%) e Canadá (US$ 2,04 milhões).

De acordo com o Projeto Frutas do Brasil, a maior produção de manga está localizada na região nordeste. Em relação aos melões, o principal estado produtor é o Rio Grande do Norte. Já as uvas têm produção concentrada no estado de São Paulo, região Sul e alguns estados do nordeste.

A Secretária de Defesa Agropecuária (SDA) trabalha para garantir a fiscalização e certificação das frutas brasileiras, tanto para o mercado interno quanto para as exportações.

As fiscalizações são feitas tanto nos estabelecimentos beneficiadores ou embaladores, quanto no comércio. Em estabelecimentos beneficiadores, podem ser feitas auditorias com fins de verificação dos autocontroles executados pelas empresas e das boas práticas de fabricação. Já no comércio, como os supermercados, atacadistas e centros de distribuição, o foco da fiscalização é na coleta de amostras dos produtos.

Já a certificação, é realizada nas frutas para exportação apenas nos casos em que o país ou bloco econômico de destino da mercadoria faz exigências, acordadas oficialmente, em relação aos aspectos fitossanitários (certificação fitossanitária) ou relacionadas aos controles higiênico-sanitários realizados pelo exportador (certificação sanitária internacional vegetal). A maioria dos países fazem seus controles de importação de frutas, com coleta de amostras e análises no momento da internalização do produto.

Conforme a Coordenação de Fiscalização da Qualidade Vegetal, as frutas exportadas devem ser livres de defeitos como podridão, manchas, deformações, danos mecânicos que afetem a casca, entre outros. Os países que importam frutas brasileiras também fazem um controle rigoroso da presença de resíduos de agrotóxicos, sendo que a presença de resíduos e seus limites máximos permitidos, variam entre os países.

Além disso, atualmente no Brasil, existe o Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC Vegetal), que estabelece metas de coleta de amostras anuais para frutas e outros produtos, a fim de verificar a presença de resíduos de agrotóxicos e outros contaminantes, levando a autuações e aplicação de multa aos responsáveis quando são verificadas não conformidades.

 

 

Fonte – Abrafrutas

Foto – Divulgação

Deixe um comentário