Parceria Fiocruz Amazônia e Susam integrou parteiras indígenas em São Gabriel da Cachoeira

Variedades

Cerca de 45 parteiras de diferentes etnias indígenas, se reuniram na comunidade Iauaretê, na cidade de São Gabriel da Cachoeira, nos dias 6 e 7 de agosto, para a realização da 15ª oficina de troca de saberes do projeto “Redes vivas e práticas populares de saúde: conhecimento tradicional das parteiras e a educação permanente em saúde para o fortalecimento da rede de atenção à saúde da mulher no Estado do Amazonas”.

O projeto foi desenvolvido pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do Laboratório de História, Políticas e Saúde na Amazônia (Lahpsa), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e contou com aporte financeiro do Ministério da Saúde (MS).

Com apoio do Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena (DSEI) de São Gabriel da Cachoeira, durante os dois dias, parteiras, gestores e profissionais de saúde do município participaram de atividades para explorar os aspectos de atuação, localização e forma de cuidado com gestantes e recém-nascidos.

Para o coordenador do projeto e pesquisador do Lahpsa/ILMD/Fiocruz Amazônia, Júlio Cesar Schweickardt, além de ser uma prática de assistência ao parto, as parteiras atuam como lideranças e referência nos seus locais e contextos comunitários. “Conhecer e reconhecer o trabalho das parteiras tradicionais, principalmente as indígenas, significa valorizar as ações dessas mulheres no campo da saúde, garantindo o seu lugar junto às equipes de saúde nas comunidades”, salientou.

Segundo uma das coordenadoras do projeto e coordenadora da Saúde da Mulher da Susam, Sandra Cavalcante, a Secretaria reconhece a importância das parteiras tradicionais na Amazônia e vem sistematicamente trabalhando com essas mulheres desde 2008, com muitas ações para o fortalecimento dessa categoria.

ATIVIDADES DO PROJETO

A cada oficina realizada, o grupo de pesquisa ajudou as parteiras a escrever uma Carta de Demanda que vai ser encaminhada à gestão das secretarias de saúde, Distrito Sanitária Especial de Saúde Indígena (DSEI) e maternidades.

O projeto tem como área de abrangência nove regiões de saúde do Amazonas e as comunidades indígenas. As oficinas já foram realizadas em Manaus, Itacoatiara, Parintins, Borba, Maués, Nova Olinda do Norte, Tefé (duas oficinas), Tabatinga (três oficinas), Belém do Solimões, Boa Vista dos Ramos e Jutaí.

O projeto ainda desenvolveu ações de educação permanente e popular em saúde, produção do conhecimento com as parteiras tradicionais, preparação de material pedagógico e produção de material de divulgação.

 

Fonte – Fiocruz/Amazônia

Edição – Coopnews

Foto – Divulgação

Deixe uma resposta